Páginas

quarta-feira, 14 de março de 2012

Dia internacional da poesia

                


   - Entrevistas com o poeta João Cabral de Melo Neto, com suas opiniões e pensamentos  a respeito
      da poesia e o papel que ela assume na sociedade e no poeta.                                                                                                                                  
     
   " A poesia não é linguagem racional, mas linguagem afetiva. Dirige-se à inteligência, sim, mas através da sensibilidade."
      ( entrevista a Marques Gastão, diário de lisboa, lisboa,  03 maio 1958 ).

   "(...) A poesia não é uma coisa, a poesia é uma porção de coisas.Eu acho que é limitar muito dizer que poesia é a experiência da vida. o sujeito pode ter uma vida interessantíssima, pode ter uma grande sensibilidade e não ter habilidade para fazer poesia. Poesia é a maneira de tratar a linguagem."
     ( entrevista a André Pestana, o que eles pensam, Rio de janeiro, Tagore, 1990).

    "(...) Poesia pode ser comparada a uma garrafa de uísque.Uma garrafa de cerveja qualquer um pode tomar. De uísque, não. A poesia é algo tão concentrado quanto o uísque, com um alto teor alcoólico. Pode-se escrever um romance de 400 páginas.um livro de poesia de 400 páginas é inviável.''
      ( entrevista a Macksen Luís, Jornal do Brasil, Caderno B, Rio de janeiro, 20 nov.1970).

     " O poeta faz a língua se conservar e andar para frente".    
     ( entrevista ao poeta José Paulo Moreira da Fonseca, Ventura, Rio de janeiro, Spala, 1987).

      ''(...) Os jovens poetas de 25 anos reclamam, mas é preciso antes de tudo persistência.Só a persistência é capaz de fazer o poeta."
       ( entrevista a Folha de S.Paulo, São Paulo, 13 jan. 1976).

   -  Um poema de Salgado Maranhão:
                               
                                Poesia
            
            


         
        Esqueci minhas pernas
        em teus descaminhos,
        no sexo livre do teu ritmo
        e monge da loucura
        fui me acasalando ao caos
        me regenerando ao precipício.

        Séculos a fio na ante-sala
        do teu templo
        em busca de alguma jura
        de alguma incerteza do teu porvir.
        Séculos convertido ao limo
        reduzido a '' z ''
        gigolô de sobras.

         tudo, para que de vez em quando,
         me mostres o rosto de Deus.

      - Aos poetas da vida.

3 comentários:

  1. Seu post comemorativo do Dia da poesia foi ótimo, pena que não tive tempo pra postar algo. Abraço amigão, saudades.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado. A correria do cotidiano faz com que as coisas sejam anuladas, mas sem essa correria não seríamos os mesmos.Abraço Eder, também estou com a antiga saudade.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado. A correria do cotidiano faz com que as coisas sejam anuladas, mas sem essa correria não seríamos os mesmos.Abraço Eder, também estou com a antiga saudade.

    ResponderExcluir