Páginas

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Emergência

 


                                          


       Quem faz um poema abre uma janela.
       Respira, tu que estás numa cela
       abafada,
       esse ar que entra por ela.
       Por isso é que os poemas têm ritmo
       - para que possas profundamente respirar.
       Quem faz um poema salva um afogado.

                                               Mário Quintana

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Disfarce

    Dentro do silêncio
    tem o barulho
    de cada homem
    sério.

     Fora do barulho
     tem o silêncio
     de cada homem
     fora do sério.

Velho tema

    Só a leve esperança, em toda a vida,
    Disfarça a pena de viver, mais nada;
    Nem é mais a existência, resumida,
    Que uma grande esperança malograda.

    O eterno sonho da alma desterrada,
    Sonho que a traz ansiosa e embevecida,
    É uma hora feliz, sempre adiada,
    E que não chega nunca em toda a vida.

    Essa felicidade que supomos,
    Árvore milagrosa que sonhamos
    Toda arreada de dourados pomos,

     Existe, sim: mas nós não alcançamos
     Porque está sempre apenas onde a pomos,
     E nunca a pomos onde nós estamos.

                                             Vicente de Carvalho

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Balanço

    A pobreza do eu
    a opulência do mundo

    A opulência do eu
    a pobreza do mundo

    A pobreza de tudo
    a opulência de tudo

    A incerteza de tudo
    na certeza de nada.

                                 Carlos drummond de Andrade

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Definição imprópria ao amor 3

                          Um embaraço de pernas.
                          Um colar de lábios.
                          Um gesto.
                          Um regaço.
                          Um abraço.
                          Um amor.
                           Um adeus.